Que país é este?

   A implosão da mentira  -     Fragmento 1

     Mentiram-me. Mentiram-me ontem
     e hoje mentem novamente. Mentem
     de  corpo  e  alma, completamente.
     E mentem de maneira tão pungente
     que acho que mentem sinceramente.
                                   Mentem, sobretudo, impune/mente
                                   Não mentem tristes. Alegremente
                                   mentem. Mentem tão racional/mente
                                   que acham que mentindo história afora
                                   vão enganar a morte eterna/mente.
                                                           Mentem. Mentem e calam. Mas suas frases
                                                           falam. E  desfilam de tal modo nuas
                                                           que mesmo um cego pode ver
                                                           a verdade em trapos pelas ruas.
                                                                                      Sei que a verdade é difícil
                                                                                      e para alguns é cara e escura.
                                                                                      Mas não se chega à verdade
                                                                                      pela mentira, nem à democracia
                                                                                      pela ditadura.
    Hoje, resolvi inverter a ordem: primeiro o fragmento poético, depois o porquê dele no contexto do comentário. O certo é que tudo aconteceu nos anos 80 do século passado. O cantor Raul Seixas (1945-1989) iniciava aqueles anos cantando assim: "Hey! Anos 80!/ Charrete que perdeu o condutor/ Hey! Anos 80!/ Melancolia e promessas de amor...". O escritor Millôr Fernandes (1923-2012), publica o livro: "Que País É Esse? ", o qual traz na capa o mapa político-administrativo do Brasil com as regiões trocadas. Em 1987, a irreverente banda Legião Urbana, lança o álbum "Que País É Esse? ". A canção título continua atualíssima até hoje; é a cara daquela parte do Brasil que insiste em contrariar tudo (e todos) para permanecer medíocre.
    Porém, o título acima, extrai do livro: "Que país é este? ", lançado em 1980, pelo poeta
escritor mineiro Affonso Romano de Sant'ana. Nascido em Belo Horizonte em 1937 (hoje com 78 anos de idade), é um dos grandes nomes da nossa literatura nacional, cuja carreira teve início nos anos 50 do século XX, e com mais de 40 livros publicados tem solidez literária para retratar o país em sua arte.
     Segundo Arnaldo Nogueira Jr. (www.releituras.com), Romano é ''um caso raro de artista e intelectual que une a palavra e a ação, com uma produção diversificada e consistente".
     Em 1980, publicou num jornal de grande circulação nacional o poema "A Implosão Da Mentira", o qual foi publicado em livro em l98l. Naquele ano o Brasil vivia a segunda década do regime militar, e os graves problemas políticos e sociais de então, são hoje, pequenas gotas d'agua ante o quadro nacional, 35 anos depois.
     O poema A Implosão da Mentira está dividido em 5 partes, ou seja, 5 fragmentos como quis o autor. Cada uma das partes mais impiedosa que a outra no que tange a banda podre da política (e dos políticos) brasileiros.  
     O próprio poeta diz que até hoje as pessoas solicitam-lhe cópia do poema, por entenderem que a obra continua cada vez mais atualizada. É a mentira implodindo tudo, em todas as camadas da sociedade brasileira.
     O jurista Luiz Flávio Gomes, na crônica 'Não tenho conta no exterior' , publicada no jornal Amazonas Em Tempo, edição de 20.10.2015, ao fazer uma avaliação do tenebroso quadro negro da politicagem nacional, que grassa do Planalto Central, para o mais distante vilarejo do Oiapoque,
cita Robert Trivers, que disse: ''Mentimos para nós mesmos para mentir melhor para as demais pessoas". Está dado o recado.
      Assim, explico o porquê do Fragmento 1 acima grafado, e sobre o qual, oportunamente, cabe uma reflexão. Ou banimos a mentira ou, em breve, ela será uma entidade legítima entre a "Pátria Amada".
Tecnologia do Blogger.