''A leitura é a arma da sabedoria''

     Já li, ao longo de muitos anos, tantas coisas belas, que a gente fica, cada vez mais, fascinado com o poder de criação artística das outras pessoas. Por isso, há algum tempo já vinha querendo escrever um artigo sobre leitura. Já tinha motivos para tal. Entre eles: 1. gosto muito do tema, é óbvio; 2. Quando tinha uns dez, onze anos de idade,  ganhei do meu saudoso pai, um livro inesquecível: A Vida de Jesus; 3. A Superinteressante, publicou uma longa reportagem, na qual o autor faz a distinção entre hábito e vício. E um hábito pra lá de saudável é o da leitura. Leitura de modo geral.
     Agora, mais um motivo, após a leitura de Faces. Livro de poemas de Ademir Barbosa, natural de Araputanga, Mato Grosso, 36 anos, radicado em Manaus. A obra contém 49 poemas, cuja leitura  dos mesmos é muito agradável. Nela, o autor justifica o porquê do título e conceitua leitura.
     Nos relatos, o poeta garante que nasceu "bem distante de uma estante recheada de livros,  de uma conta bancária "gorda", porém um lugarzinho bem rico de conhecimentos que provém da natureza, da sabedoria humana natural da sensibilidade de ouvir, da pureza ao falar, da pacata maneira de viver, dos sonhos a realizar a cada aurora. Fui crescendo como todas as crianças, com um sonho a cada amanhecer, com a vontade de ver o mundo e ser visto por ele".
      São poucas, mas valiosíssimas as palavras acima entre aspas. Por quê? Porque nos tocam diretamente no quesito que os filósofos costumam chamar de "grandeza humana". Por exemplo, quando ele diz: um lugar "rico de conhecimentos...". Realmente, o conhecimento humano, pode ser, modestamente, comparado ao stand central de uma grande exposição qualquer: há pontos de vista indefinidos; há pontos de vista não decifrados; há valores inestimáveis; há quem por lá esteve e diz que nada de interessante viu; há quem bem observou e de nada gostou, e por aí vai.
     O autor também menciona a palavra "sensibilidade". Diga-se, em vários aspectos: quando ouvimos..., falamos..., vivemos..., sonhamos..., realizamos... Muito bom. Nota dez.  Só para exemplificar, as sete artes - em breve, espero, teremos a oitava, o desenho animado - existem por duas razões fundamentais: a sensibilidade dos seus criadores entrelaçada com a sensibilidade  dos seus observadores, ouvintes, dançarinos, enfim, de todos.
      Prosseguindo, diz o autor em questão: "Os livros sempre me influenciaram, os nomes dos autores nas capas em destaque me enchiam de orgulho e foram eles que me trouxeram até aqui,  trilhando uma carreira árdua, sem muito interesse em publicar meus livros com editoras, mas levando a sério o que sempre me fez ver que assim teríamos um mundo melhor, "A LEITURA'". O título deste trabalho, "A leitura é a arma da sabedoria", foi dele por mim emprestado.
      E justificando o seu mais puro sentimento pelas letras, desabafa: "Não escrevo para aqueles que se intitular sábios, doutores e intelectuais, escreve à todos os que amam poesias e compreendem a grandeza delas".
      Isso mesmo. "Poesias", não quer dizer apenas uma reunião de poemas, é lógico. Mas sim gostar, apreciar tudo, independente de gênero, de estilo. A beleza da poesia não consiste apenas em saber se ela vem do arcadismo, simbolismo, concretismo, pós-modernismo, parnasianismo, romantismo, entre outros; não está, apenas, em Fernando Pessoa, Augusto dos Anjos, Bertold Brecht, Cecília Meireles, Raul Bopp, Charles Baudelaire, e inúmeros outros, mas, acima de tudo, na sensibilidade de cada leitor.
     Há muitos anos vi escrito num cartaz, os seguintes versos:

                                  "O que é real para mim,
                                    pode ser  irreal para ti.
                                    Na verdade, nada mais somos
                                    que inventores de irreais realidades". 

     Outro detalhe: não é a extensão do conteúdo de um livro que vai torná-lo uma obra-prima da literatura universal. Assim como Ulisses, de James Joyce; Os Lusíadas, de Luis Vaz de Camões; A Divina Comédia, de Dante Alighieri; Dom Quixote de La Mancha, de Miguel de Cervantes; Os Sertões, de Euclides da Cunha, que são obras densas, mas primorosas. Há, no entanto, livros "minúsculos"  como O Profeta, de Gibran Kalil Gebran; A Arte da Guerra, de Sun Tzu; O Juiz e Seu Carrasco, de Friedrich Durrenmatt; Lira dos Vinte Anos, de Álvares de Azevedo; Paulo, de Bruno Seabra, etc, etc, etc, que são simplesmente fascinantes.
      No prefácio de Faces, o poeta, escritor e dramaturgo Nygel Filho, garante: "Através desta obra ele nos traz o melhor desta vida, o amor". Verdade! O amor é o alicerce de tudo o que existe de bom na vida humana. Endossando essa afirmativa de Nygel, o próprio Ademir, no poema Amar... enfatiza:

                                    "Eu nunca quis saber nada sobre você
                                      Eu apenas quis você
                                      Porque a mim não me convém julgar
                                      Meu nome é amor e meu dever é amar".

      Na contracapa, ele encerra com aquele que pode ser o seu 50º poema in Faces:
                                    "Somos múltiplas Faces, variamos
                                      nosso comportamento de acordo
                                      nosso sentimento.
                                      Há dias em que estamos felizes,
                                      outros em que estamos tristes e, nessas
                                      mudanças de temperamentos vamos
                                      vivendo nossas Faces.
                                      Ao escrever Faces, busquei em 
                                      minh'alma a essência do amor deixando
                                      transparecer em cada verso um pouco
                                      de cada um de nós.
                                      Faces é a expressão exlícita
                                      do amor de variadas formas.
                                      Faces traz em suas págimas
                                      uma linguagem simples, falando do
                                      universal sentimento, o AMOR."

      É isso aí, poeta. Que o amor, em tempos de cólera, nas palavras de Gabriel García Marquez, prevaleça sobre tudo na vida humana. Sobre toda e qualquer tipo de violência. Que um punhado de delinquentes, mundo aforam, não façam sofrer, seja pelas guerras, pela fome ou pela maldade, 7,5 bilhões de pessoas. 
      Em tempo: Chegou ao meu conhecimento que o tão jovem leitor dos meus simples comentários, lá no Recife, o pernambucano David Xavier, na próxima semana, mas precisamente no dia 23, estará solenemente se formando em Medicina, pela destacada UFPE. A ele dedico esta memorável máxima do notável médico paulista, Dr. Dahar Elias Cutait (1913-2001): "A mão do sucesso profissional tem 5 dedos: caráter, vocação, talento, esforço e disciplina". Não tenho dúvida, meu jovem, que você os reúne muito bem. Além daqueles que compõem a família, a religião, a amizade, a humildade. 
      O médico pernambucano, Josué de Castro (1908-1973), nas décadas de 30 e 40, do século passado, deixou seu consultório no Recife e partiu rumo a Amazônia para uma pesquisa científica sem precedente, até então. O trabalho foi tão árduo e memorável, que resultou na famosa obra Geografia da Fome. Vocês jovens que agora estão chegando, podem fazer o mesmo (independente de ser a Amazônia, a África, o Caribe, o sertão nordestino, etc), e assim, salvarem muitas vidas, com novas descobertas. São do Dr. Josué, estas palavras:

                                   "Eu sonho sonhos distantes,
                                     Em barcos ausentes, velozes,
                                     Ondeantes.
                                     Paisagens vivas, longe, diferentes.
                                     Eu sonho sempre. Sonho." 

Referências
1. Barbosa, Ademir. Faces. Manaus: Ágata Produções, 2015
2. Josué de Castro: por um mundo sem fome - Almanaque histórico, BB, 2004.

 
      
                                   
                                   

 
Tecnologia do Blogger.