O estonteante talento de Ana Muller

     Depois da ótima aceitação pelos leitores do Facetas, com relação ao artigo que postei, há alguns meses, sobre a cantora Malu Magalhães, cuja dica para tal veio de uma adolescente que aprecia a boa música, agora é a vez da cantora Ana Muller, por sugestão  de uma professora pernambucana da UFPE, a qual lida diariamente com jovens universitários e acompanha a carreira dessa artista desde que a mesma era integrante da Banda Aurora.     
      Aliás, o interesse pela atividade artística da nova geração de cantores, seja por jovens, seja por adultos é oportuno e tem vários significados positivos. Entre eles, destaco dois: 1. Considerável parcela da população brasileira, não tem o menor interesse em ouvir os diferentes gêneros de músicas que proliferam país afora; 2. Esses artistas - da nova geração da MPB -  suprem o vazio deixado pela ausência da música saudável,  vivido por milhões de pessoas. Daí, a necessidade dessa nova safra de instrumentistas, cantores e compositores do melhor naipe. Porém, se muitos ainda não são conhecidos do grande público por meio de CDs, de shows, são bem curtidos pelos internautas.
      Você sabe quem é Ana Paula Gomes? É ela mesma, a talentosa cantora e compositora Ana Muller, de 25 anos de idade, natural de Ibatiba (ES). Ex-vocalista do grupo Aurora, vencedor do 5º o Festiva Prato da Casa, em 2011. Nessa fase, a cantora passa por um amadurecimento "como compositora, como artista, como cantora e como pessoa".  De lá (da Banda) migrou em 2012, para  seguir carreira solo, buscando algo de novo no cenário musical, com formato independente. Foi quando, então, começou a divulgar seu trabalho na internet no estilo voz e violão, e de pronto agradou o público infantojuvenil, principalmente.
Imagem relacionada
Ana Muller (Fonte: www.letras.mus.br/ana-muller)
 
       Ana compõe sobre o que gosta e toca aquilo que agrada ouvir. Suas referências e influências são originalmente brasileiras. "Com forte carga poética, as músicas dela são todas autorais - já somam quase 30 - e, aliadas à sua voz suave e potente, acabam criando um ambiente  introspectivo e experimental". Além de autodidata assumida, garante que não sabe o nome de nenhum acorde que executa.
      Logicamente que não é a primeira artista da nossa música com tanto talento e jovialidade que se conhece. Há alguns meses enumerei várias dessas vozes que sustentam nosso cancioneiro de bom gosto: Roberta Sá, Alice Caymmi, Malu Magalhães, Maria Gadú, Ana Cãnas, Taís Alvarenga, Céu, Tiê, entre muitas outras. A musicalidade da Ana Muller é bela e inconfundível. Tem personalidade própria.
     Sou ardoroso fã e adepto da velha guarda. Explico: sou da escola que produziu a Bossa Nova, da Tropicália, da Jovem Guarda, do Samba e de tudo mais que existe de bom entre as mais variadas tendências musicais atuais no país. Isso quer dizer que estou antenado, também, ao trabalho dessa juventude. Vi todos os vídeos da Ana que estão disponíveis, a partir das orientações bem vindas da professora da UFPE. E, constatei que independente da faixa etária do espectador ou telespectador, quando observa-se a criatura maravilhosa cantar a gente sente tudo fluir naturalmente.
      Um detalhe: Você não sabe se prende o olhar na expressão facial (e angelical)  da menina-moça-cantora ou nas mãos dela dedilhando e emitindo as notas ao violão. É pura beleza, ou melhor, "beleza pura"  como versou o poeta Caetano Veloso, ainda nos idos dos anos 80.
       A própria artista confirma esse meu argumento: "Costumo fazer música como quem faz amor, é completamente natural. Não preciso me direcionar para compor, tirar um tempo para isso, não. Acontece, sai, flui [...]. Algumas vezes, à pedido de alguém ou pensando em compor para algo específico, aí sim eu paro, direciono meu tempo para isso, na maioria das vezes acontece em meio às coisas do dia a dia".
      Não era para menos. a garota foi criada ouvindo música caipira, de raiz; "aquelas modas de viola, tão sentidas, tão bonitas e tão verdadeiras", relembra. Até por ser  natural do interior, da zona rural, onde tudo é original, bucólico.
      O pai ouvia Raul Seixas, Raimundo Fagner, Zé Ramalho e outros artistas. Foi assim que aprendeu a tocar violão quando tinha 7, 8 anos de idade. Numa segunda fase, por si só, descobriu que, havia "no meio do caminho" pedras preciosas da MPB ou do Rock nacional como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Chico Buarque, Nara Leão, Rita Lee, Renato Russo, Cazuza, Erasmo Carlos, Elis Regina, Cássia Eller, Tom Jobim, entre outros.
      Na adolescência passou a ouvir o rock dos anos 80 (Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho). Daí, nasceu nela o intenso interesse por Tropicália, Samba, Bossa Nova, Jazz, Blues, MPB, enfim. Agora, na fase atual, já como profissional, ouve Criolo, Marcelo Camelo, Flora Mattos, Emicida, etc. Todos esses craques reunidos na sua lembrança, só aguçam-lhe ainda mais o dom de compor, de cantar, de dedilhar... Por essa razão, inventa música "o tempo todo", desde a segunda infância.
     Sua composição é natural, repito. E é nas águas cristalinas da cachoeira da poesia que renasce a cada manhã, a compositora do amor. Não é por ser dona de uma voz mansa, que não consegue alcançar tons mais agudos, quando quer.
     Das suas canções, as mais acessadas são Me Cura, Deixa, Me Olha, Escopo, Sorte, Cheiro de Flor, Aviso, Adeus, Leveza, Bela, Peça Principal, Ao Meu Amor, Basta e Roseira. Curiosamente o título de quase todas as letras é formado por uma única palavra. Isso me faz lembrar do cantor Djavan que tem as mesmas características quando atribui títulos às suas composições: Luz, Pétala, Liberdade, Oceano, Seduzir, Lilás, Samurai, A Ilha, Sina, Açaí, etc, etc, etc.
     A suavidade na leitura das palavras e a ternura dos versos são pura poesia na criação artística de Ana. Quando esses poemas, então, recebem a melodia, e, por último, a sua voz, não há como resistir. É só cantar com ela. Por exemplo, em Me Cura, está escrito:

                   "Me cura com tua técnica de amar
                     Eu não quero tua psiquiatria         (1ª estrofe)
                     eu quero ser teu lar". 
                                 "Prescreve uma receita pra curar meu coração
                                   Quero internação na tua cama                   (2ª estrofe)
                                   eu quero tua atenção".  

ou em  Aviso, cujos versos são assim:

                    "Meu coração é mar bravio
                      E você vai se naufragar
                      Não vá dizer, que eu não falei                (1ª estrofe)
                      Que até irei, pra não voltar" .

      Segundo Muller,  "hoje em dia, nem tudo que toca no rádio é o que a galera gosta (puríssima verdade!). A internet dá a chance de levar seu trabalho pra qualquer lugar do mundo e ter retorno imediato disso, pra nós, músicos ou pessoas que trabalham com arte em geral, é maravilhoso". Mediante essa constatação, foi que ela decidiu divulgar o seu oficio na internet para atender a amigos e fãs.
      Torno a dizer, a voz suave e potente é sua marca registrada. Depois vem o dom de compor e, por último, a promessa de mais um grande nome que desponta no cenário nacional. Me Cura, é um bom exemplo; Deixa, também.
      A princípio, ela é apenas mais mais uma cantora, entre milhares que estão buscando seu espaço nesse meio. Mas, aos poucos percebe-se que esse é o tipo de música que o brasileiro quer ouvir: de qualidade irrefutável. "Ana é, portanto, mais uma dessas novidades e promete fortalecer o seu nome".
      Assim, vem conquistando o seu espaço. No último dia 3 deste mês, só para lembrar, foi divulgada a capa do seu primeiro EP. A canção Me Cura já é o seu primeiro single, cujo disco será lançado em breve pela Garimpo Brasileiríssimos.
       A seguir a letra da canção Deixa, que é o maior sucesso da capixaba. Seis meses após o lançamento do vídeo, já atingiu mais de 25 mil acessos.

                      DEIXA
      Ainda ontem sonhei com você
      Vi a resposta depois me esqueci
      Você não sabe dizer que não quer
      Mas não responde dizendo que sim

            Eu não entendo minha própria fé
            Acreditar no que você me diz
            Sabe morena, pensei em você
            Logo depois tive medo de mim

                  Mas deixa, às vezes tenho paz
                  Deixa, respira devagar 
                  Deixa, talvez seja melhor                     (bis)
                  Deixa, às vezes erro o tom   

                        Hoje mais  cedo pensei em ligar
                        Dizer que é bom escutar sua voz                 (bis)
                        Mas a verdade é que posso jurar
                        Nunca te ouvir

                                Que coração preguiçoso esse teu
                                Fica esperando sem nunca insistir       (bis)
                                Você parece uma sensação
                                É bom sentir. 

      Se jovens jovens e adultos gostam da música dessa artista; assimilam bem a sua mensagem artística, etc, um lembrete: apesar da correria do dia a dia; da música ser vital, orgânica na sua vida, a jovem Ana Paula Gomes cursou Direito em Vitória (ES), mas com o sucesso do vídeo Deixa, trancou a faculdade e tem seguido com sua carreira musical.
      Façamos o mesmo. Independente da fama ou do anonimato. O sucesso advindo da fama, passa. O conhecimento adquirido com o estudo fica, para SEMPRE.
      Portanto, eis aqui a recomendação aos milhões de estudantes que estão voltando às aulas neste início de 2017.  Entre eles, estão os que vão nos representar nos diferentes segmentos sociais. Para conferir o trabalho de Ana, segue as páginas das redes sociais:

https://www.facebook.com/oficial.anamuller
https://www.instagram.com/real.anamuller

      Referências
      1. www.soues.com.br ("Singela e visceral: Ana", por Isabella Mariano, 14.12.14)
      2. www.facebook.com/oficial.anamuller
      3. www.letras.mus.br
      4. www.unijui.edu.br
      5. www.anamullerportal.blogspot.com.br (out/2016)
     
       
     
 
Tecnologia do Blogger.