A tribo musical: os Tribalistas


“Já sei namorar, já sei beijar de língua, agora só me resta sonhar”, é a frase da música “Já sei Namorar”, composta por Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes. Tudo começou em 2002, quando os músicos estavam reunidos no ano anterior, escreveram várias músicas e decidiram lançar o CD, intitulado Tribalistas, o qual consiste no nome no trio.
Na entrevista com Nelson Motta (1), e ele pergunta: “(...) Como é que começou isso tudo? Quem ligou para quem? Como surgiu a ideia?. Marisa Monte responde:

“Não surgiu de cara como idéia de um disco. Eu fui gravar uma participação no disco que o Arnaldo estava fazendo, produzido pelo Brown, no ano passado. A gente ficou junto uma semana e, como sempre acontece quando a gente se encontra, fizemos um monte de músicas. E a gente não pensava em gravar um disco juntos naquele momento”.

            E como surgiu a ideia do nome Tribalistas? Marisa Monte diz na entrevista que queria um nome que representasse “de três, de tri, de tribo”. Assim, o nome do grupo e o sucesso dessa parceria resultou em 2,1 milhões de cópias vendidas no Brasil e no exterior, 5 indicações para o Grammy Latino em 2003, e conquistaram o item como “Melhor Álbum Pop Contemporâneo Brasileiro”, além de outras premiações. (1) (2)
            Quem conhece e aprecia o trabalho do trio, aguardava ansioso um novo encontro musical. Após 15 anos, para nossa felicidade, em 25 de agosto deste ano, os músicos anunciam o segundo álbum. Os Tribalistas retornaram! O CD foi gravado entre março e maio de 2017, e Nelson Motta (3) diz

“Assim como no primeiro disco, nada foi planejado com antecedência ou programado. O método foi o mesmo: um disco caseiro de três amigos compositores de origens e formações muito diversas, registrando uma música por dia com um grupo pequeno de músicos (...)”.
           
O trabalho é composto por com 10 músicas, na seguinte sequência: 1) Diáspora; 2) Um só; 3) Fora da Memória; 4) Aliança; 5) Trabalivre; 6) Baião do Mundo; 7) Ânima; 8) Feliz e Saudável; 9) Lutar e vencer; 10) Os peixinhos. As músicas são possíveis serem escutados no site www.marisamonte.com.br, e no canal do You Tube www.youtube.com/MARISAMONTE, é possível assistir os clips de todas as músicas.
            Já expus até o momento sobre os Tribalistas e o seu trabalho atual, mas quem são esses cantores? Como já disse anteriormente, Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes. Mas, quais são suas biografias? Irei explanar brevemente.

Fonte: Site oficial da cantora  (6)
Marisa Monte: Marisa de Azevedo Monte, nasceu no Rio de Janeiro (RJ), em 1 de julho de 1967. A cantora, compositora, instrumentista e produtora musical, iniciou sua carreira cantando em casas noturnas. Em uma de suas apresentações foi descoberta por Nelson Motta, e dirigiu o seu primeiro show, Veludo Azul. Em 1989, lançou seu primeiro LP, intitulado MM, o qual teve sucesso com a música Bem Que se Quis. Desde então, Marisa ganhou espaço no cenário da Música Popular Brasileira (MPB) e continua nos impressionando com sua poesia musical. Os demais trabalhos da cantora são: Mais Marisa Monte (1991); Verde, Anil, Amarelo e Cor de Rosa e Carvão (1994); Barulinho Bom: Uma Viagem Musical (1996); Memórias, Crônicas e Declarações de Amor (2000); Tribalistas (2002); Universo ao Meu Redor (2006); Infinito Particular (2006); O Que Você Quer Saber de Verdade (2011); Verdade uma Ilusão (2014); Marisa Monte: Coleção (2016); Tribalistas (2017). (2)

Fonte: Site oficial do cantor (6)
 Carlinhos Brown: Antonio Carlos Santos de Freitas, nasceu em Salvador (BA), em 1962. O cantor, compositor, instrumentista e produtor cultural, iniciou sua carreira aos 15 anos, como percussionista, ao ser contratado pela cantora Leila, para tocar em barzinhos em Salvador. Na década de 80, era um dos instrumentistas mais requisitados na Bahia. Em 1991 funda a Timbalada (grupo de jovens percussionistas, tocadores de tambor de origem africana chamada Timbau), em seguida grava o CD Timbalada, eleito o melhor trabalho da América Latina pela Revista Billboard. Além do projeto Timbalada, o artista cria outros projetos: Associação Pracatum Ação Social (1994), o qual oferece cursos de idiomas, moda, reciclagem, oficinas de dança e escola infantil. Esta iniciativa ganhou em 2002 o Prêmio Unesco na Categoria Juventude; Zárabe (1995), movimento para homenagear a cultura muçulmana presente na formação étnica e cultural da África; Ganha em 2002 o Certificado de Melhores Práticas do Programa de Assentamentos Humanos das Nações Unidas com o projeto Tá Rebocado, o qual consiste em melhorar as condições de vida no Candeal; Ganhou o prêmio do canal espanhol Telecinco, “12 meses, 12 causas”, pelo envolvimento com as questões sociais. A relação da música com as questões sociais é louvável, e presente em sua música. Os outros trabalhos do músico baiano: Alfagamabetizado (1996); Omelete Man (1998); Bahia do Mundo - Mito e Verdade (2001); Tribalistas (2002); Carlinhos Brown é Carlito Marrón (2003); Carlinhos Brown e o DJ Dero Candyall Beats (2004); Ao Vivo no Festival de Verão Salvador (2006); A Gente Ainda Não Sonhou (2007); Adobró (2010); Diminuto (2010); Cambombless (2010); Mixturada Brasileira (2012); Marabô (2014); Vibraaasil Beats Celebration (2014); Sarau du Brown – Ritual Beat System (2015); Artefireaccua – Incinerando o inferno (2016); Tribalistas (2017). (4)


Fonte: Site oficial do cantor (6)
 Arnaldo Antunes: Arnaldo Augusto Nora Antunes Filho, nasceu em São Paulo (SP), em 2 de setembro de 1960. Compositor, poeta, cantor, artista visual e performer, inicia sua relação com a música na adolescência, aos 15 anos, quando ingressa no Colégio Equipe, e conhece Branco Mello, Sérgio Britto, Paulo Miklos, Ciro Pessoa, Nando Reis e Marcelo Fromer, cantores do grupo Titãs. Em 1978, o cantor inicia o curso de Letras na Universidade de São Paulo (USP), mas não conclui. Nos anos 80, o artista escreve e compõe, e participa de alguns eventos musicais e culturais, mas só em 1982, o grupo musical Titãs do Ieiê apresentam-se pela primeira vez em São Paulo, com participação de Arnaldo no vocal, e os demais cantores e músicos: Paulo Miklos (vocal e sax), Sérgio Britto (vocal e teclado), Branco Mello (vocal), Nando Reis (vocal e baixo), Ciro Pessoa (vocal), Marcelo Fromer e Tony Bellotto (guitarras) e André Jung (bateria). Em 1992 deixa o grupo, e decide seguir carreira solo, mas continua compondo com o grupo. Os seus trabalhos são: Nome (1993); Ninguém (1995); Silêncio (1996); Um Som (1998); O Corpo (2000); Paradeiro (2001); Tribalistas (2002); Saiba (2004); Qualquer (2006); Ao Vivo no Estúdio (2007); Iê iê iê (2009); Pequeno Cidadão (2009); Ao Vivo Lá em Casa (2011); A Curva da Cintura (2011); Acústico MTV (2012); Disco (2013); Já é (2015); Ao Vivo em Lisboa (2017); Tribalistas (2017). (5)
         Esses três grandes artistas, com caminhos diferentes, encontraram-se nos bastidores da música, e hoje nos alegram com poesia musical, com o retorno dos Tribalistas. Espero que mais trabalhos desse trio sejam lançados. Enquanto isso, ficamos aguardando ansiosos.

Texto: Winnie Gomes


Fontes:
1. Entrevista Nelson Motta com Tribalistas. http://www2.uol.com.br/tribalistas/entrevistas6.htm
2. Biografia de Marisa Monte. https://pt.wikipedia.org/wiki/Marisa_Monte
3. Texto de Nelson Motta sobre o nove álbum dos Tribalistas. http://www.marisamonte.com.br/pt/musica/discografia/tribalistas-2
4. Biografia de Carlinhos Brown. http://www.carlinhosbrown.com.br/bio/

6. Fotos:
http://www.marisamonte.com.br/pt/fotos/turne-universo-ao-meu-redor
http://www.carlinhosbrown.com.br/exposicao-o-olhar-queouve/
http://www.arnaldoantunes.com.br/upload/fotos_2/239_g.jpeg

Tecnologia do Blogger.