Konstantinos Kaváfis: a poesia sem fronteiras


     Konstantinos Petrou Kaváfis nasceu na Alexandria, em 17 de abril de 1863. Filho de um rico comerciante grego estabelecido no Egito. Ainda jovem passou muitos anos na Inglaterra estudando literatura. Em 1880, retornou à terra natal indo trabalhar no Ministério da Irrigação.
     Apesar do seu intenseo interesse pela poesia, somente depois dos 40 anos de idade, foi que reuniu os seus poemas, os quais foram escritos em grego moderno. Mas, somente a partir de 1904 começou a publicar algumas poesias em revistas de pequenas circulação. São ao todo 200 poemas, que foram editados em um só volume, após a morte do poeta. 
     São visivelmente percebidos em sua obra, o erotismo homossexual e o culto à tradição helênica. O poema "À espera dos bárbaros", é um exemplo forte de sua característica literária. Nele o autor "depurou ao máximo sua lírica, interpretando o espírito do mundo helênico através de sua sensibilidade moderna".      
     O conteúdo de sua obra se baseia na experiência pessoal e em meditações sobre o tempo e a morte. Para dar corpo a essa temática, Kaváfis empregava um estilo apurado e realista. 
     No fim da vida teve o merecido reconhecimento de sua poesia, quando, então, a crítica o consagrou como um dos grandes poeta do século XX. Faleceu na cidade onde nasceu, no dia 29 de abril de 1933, ou seja, 12 dias depois de completar 70 anos. 
      Abaixo, trechos do seu poema traduzido para o idioma português, o qual é de uma beleza literária ímpar. Cabe em qual qualquer lugar, em qualquer época, em qualquer literatura. Falo cabe, no sentido  que a poesia é necessária ao mundo, independente do autor, da sua língua, da sua época.

                                    À ESPERA DOS BÁRBAROS

                                    Quando você partir, em direçao a Ítaca,
                                                que sua jornada seja longa,
                                repleta de aventuras, plena de conhecimento.

                      Não tema Laestrigones e Ciclopes nem o furioso Poseidon;
                              você nao irá encontrá-los durante o caminho, se
                                   o pensamento estiver elevado, se a emoção
                                   .jamais abandonar seu corpo e seu espírito.
                                 Laestrigones e Ciclopes, e o furioso Poseidon
                                              não estarão em seu caminho
                                      se você não carregá-los em sua alma,
                                se sua alma não os colocar diante de seus passos.

                                          Espero que sua estrada seja longa.
                                     Que sejam muitas as manhãs de verão,
                                      que o prazer de ver os primeiros portos
                                              traga uma alegria nunca vista.
                                      Procure visitar os empórios da Fenícia, 
                                                recolha o que há de melhor.
                                                   Vá às cidades do Egito,
                                          aprenda com um povo que tem tanto a ensinar.

                                                   Não perca Ítaca de vista,
                                               pois chegar lá é o seu destino.
                                               Mas não apresse os seus passos;
                                        é melhor que a jornada demore muitos anos
                                                    e seu barco só ancore na ilha
                                               quando voce já estiver enriquecido
                                                  com o que conheceu no caminho.
                                         Nao espere que Ítaca lhe dê mais riquezas.
                                                  Ítaca já lhe deu uma bela viagem;
                                                 sem Ítaca, você jamais teria partido.
                                        Ela já lhe deu tudo, e nada mais pode lhe dar.

                                        Se, no final, você achar que Ítaca é pobre,
                                                   não pense que ela o enganou.
                             Porque você tornou-se um sábio, vivei uma vida intensa,
                                                   e este é  o significado de Ítaca.

     É isso mesmo. Que cada um dos nossos leitores possa chegar em paz à sua Ítaca, pelo melhor caminho que escolher. Ítaca tem um significado único para cada um. O importante é ter sabedotia para tal. "Que sejam muitas as manhãs de verão" e "Não perca Ítaca de vista". 
     Cada um do nós lava a própria alma quando toma conhecimento destes versos de Cora Coralina (1889-1985):

                 "Não morre aquele que deixou na Terra
                     a melodia do seu cântico na música 
                                  de seus versos".

     EM TEMPO: Ontem, 08 de dezembro foram lembrados os 37 anos da trágica morte de John Lennon. No entanto, seus versos, as suas melodias, seus gestos pacifistas, estão aí vivíssimos. Espero que perdurem por muito tempo.

     Texto: Francisco Gomes 

     Referência
     1. Nova Enciclopédia Barsa. - SP: Britannica do Brasil Publicações, 1999, vol. 8, p. 393.
      Revista Época, dezembro de 2008.
          
                                
                
                                                                                                                                                                                                                    
                                                                                             


Tecnologia do Blogger.