O som da Amazônia: Festival Folclórico de Parintins

             O último fim de semana de junho é uma época de muita alegria para o estado do Amazonas, por conta do Festival Folclórico de Parintins. Desde criança acompanho o festival, muito antes de ser conhecido pelo restante do Brasil.  Acontece em Parintins, na Ilha de Tupinambarana (município do estado do Amazonas) o espetáculo e a disputa entre os bois, Garantido e Caprichoso.


Resultado de imagem para festival folclórico de parintins
Boi Garantido (branco, lado esquerdo) e Boi Caprichoso (preto, lado direito). Foto: No Amazonas É Assim

            O evento apresenta alegorias, coreografias e encenação teatral com temas regionais como as lendas amazônicas, sobre as vidas das comunidades ribeirinhas, além de figuras típicas regionais: cunhã poranga, tribos indígenas, sinhazinha da fazenda, pajé, entre outros. O festival tem influência do Bumba Meu Boi do Maranhão, mas agregou tais elementos da realidade Amazônica.


Resultado de imagem para festival folclórico de parintins no amazonas é assim
Momento do festival. Foto: No Amazonas É Assim

            O festival teve início em 1966, e em 1975 a Prefeitura de Parintins assumiu a organização. Nos anos 2000 ganhou visibilidade nacional com a transmissão pela televisão e se destacou como uma das maiores atrações culturais. Parintins tornou-se um ponto turístico no Brasil, com seu espetáculo a céu aberto. Este ano, o evento aconteceu nos dias 29 e 30 de junho, e hoje, 01 de julho, é o último dia do festival. Ainda dá para conferir pela TV Cultura ou pelo site da Acrítica.

            O que eu quero abordar sobre o festival de Parintins são as músicas, conhecidas na região como toadas. Todo o ano os dois bois lançam as músicas que serão apresentadas como narrativas musicais no festival. Este ano, o tema do Boi Garantido é Auto da Resistência Cultural; o Boi Caprichoso é Sabedoria Popular: uma Revolução Ancestral. Encontrei no Youtube o CD completo para vocês apreciarem:


     CD 2018 Boi Caprichoso - Sabedoria Popular Uma Revolução Ancestral


                                                              Toadas: Garantido 2018 - Auto da Resistência Cultural



               Tem uma música muito famosa no festival, Vermelho, composto pelo brilhante Chico da Silva (Confiram o post Chico daSilva, para todo Brasil). Essa música ganhou destaque nacional com a interpretação de Fafá de Belém e David Assayag e abriu as portas para o mundo conhecer o Festival Folclórico de Parintins. Essa música é o hino que toca em todas as apresentações do Boi Garantido. Confiram a letra:

                                                           David Assyag e Fafá de Belém

                                A cor do meu batuque tem o toque                                
E tem o som da minha voz
Vermelho, vermelhaço
Vermelhusco, vermelhante
Vermelhão (vermelhão)


O velho comunista se aliançou
Ao rubro do rubor do meu amor
O brilho do meu canto tem o tom
E a expressão da minha cor
Vermelho

                                                      A cor do meu batuque tem o toque

E tem o som da minha voz
Vermelho, vermelhaço
Vermelhusco, vermelhante
Vermelhão (vermelhão)


O velho comunista se aliançou
Ao rubro do rubor do meu amor
O brilho do meu canto tem o tom
E a expressão da minha cor


Meu coração
Meu coração é vermelho
Hei, hei, hei
De vermelho vive o coração
Ê, ô, ê, ô


Tudo é Garantido após
A rosa vermelhar
Tudo é Garantido
Após o sol vermelhecer

Vermelhou o curral
A ideologia do folclore
Avermelhou
Vermelhou a paixão
O fogo de artifício
Da vitória vermelhou



         Independente da música ser do Boi Garantido, é uma música que representa o festival folclórico. É indiscutível que os dois bois apresentam um espetáculo singular, infelizmente é disseminada a ideia de rivalidade e disputa entre os bois, mas é preciso apreciar para além disso. Eu penso que todo ano os dois bois são campeões, por sua luta, dedicação e por manter viva a nossa cultura amazônica.
  Parintins é uma cidade mágica que respira cultura. Eu desejo que as novas gerações, principalmente da região norte, não deixem morrer as nossas toadas, as nossas lendas, a nossa identidade indígena.
               Para acompanhar ao vivo o festival é só acessar o site da Acrítica, e não deixem de conferir o site oficial do festival, e dos bois Garantido e Caprichoso.


Texto: Winnie Gomes
Tecnologia do Blogger.