"Você é um envelhescente?"

      Você sabe quem é Mário Alberto Campos de Morais Prata? É ele mesmo, o Mário Prata. Um dos mais importantes escritores brasileiros das últimas décadas. Nascido em Uberaba, Minas Gerais, em 1946, que no mês de fevereiro deste ano completou 72 anos. Atualmente mora em Florianópolis.
     Criado em Lins, interior de São Paulo, aos 14 anos começou escrever crônicas com o pseudônimo de Franco Abbiazzi. Além de ser autor de excelentes livros, escreveu brilhantes trabalhos na dramaturgia. Assim como minisséries, telenovelas e no jornalismo.
     "Apaixonado por esportes, principalmente futebol, praticou tênis na infância"Já morando na capital paulistana, enquanto trabalhava como gerente de uma das agências do Banco do Brasil, cursava Economia na USP.
     Seu primeiro livro, "O morto que morreu de rir", data de 1969, quando o promissor escritor tinha apenas 23 anos de idade. E a sua primeira peça para o teatro, "Cordão umbilical", é de 1970. Ambos foram um sucesso, de leitor e espectador, respectivamente. A partir de então passou a "morar" nas redações de grandes jornais e revistas, como o Estadão; Istoé, Época, Playboy, Ícaro, Placar, Caros Amigos, etc.
     No entanto, foi a partir da década de 90, que publicou vários romances, alguns deles: Filho é bom, mas dura muito; Mas será o Benedito; O diário de um magro; Paris, 98!, Purgatório. Para a televisão fez vários trabalhos. Destaco alguns: Estúpido cupido (76/77), telenovela de grande sucesso na TV Globo. Em 1983, com outros autores, participou da minissérie Avenida Paulista, composta de 20 capítulos, também exibida pela TV Globo. Em 2005, foi a vez de outra telenovela, Bang-Gang.
     Prata, não para por aí. Ele também é autor de várias biografias, eis algumas: Monteiro Lobato, Ariano Suassuna, Graciliano Ramos, Oswald de Andrade, Jorge Amado, Érico Veríssimo, etc.
     Grande mestre das letras, em quase seis décadas produzindo literatura, é profissional respeitado nos meios literários e seu talento reconhecido por milhares de leitores e críticos. Vencedor de vários prêmios, por exemplo, dois kikitos no Festival de Gramado com os filmes "Besame Mucho" (87) e "O testemunho do Sr. Napumoceno" (97).
     Suas obras são muito requisitadas pelas Comissões de Vestibulares e Concursos Públicos, principalmente nas Regiões Centro-Sul. Há alguns anos, quando foi entrevistado por Jô Soares, o apresentador quis saber como se sentia por ser um autor bastante indicado aos jovens estudantes. Em resposta garantiu que sempre fica lisonjeado por ter suas obras incluídas nos editais dos vestibulares das Universidades. E bem humorado, concluiu a entrevista assim:
     "- Fico curioso quando leio algumas perguntas do tipo: 'O que o autor (Mário Prata) quis dizer com isso (ou aquilo)'. Ele mesmo responde: O que está escrito".
     A leitura das crônicas de Mário Prata é prazerosa, assim como são as de Carlos Heitor Cony e Luis Fernando Veríssimo. Transcrevo abaixo, na íntegra, uma delas:



           "VOCÊ É UM ENVELHESCENTE?
     
     Se você tem entre 45 e 65 anos, preste bastante atenção no que se segue. Se você for mais novo, preste também, porque um dia vai chegar lá. E, se já passou, confira. 
   Sempre me disseram que a vida do homem se dividia em quatro partes: infância, adolescência, maturidade e velhice. Quase correto. Esqueceram de nos dizer que entre a maturidade e a velhice (entre 45 e os 65), existe a ENVELHESCÊNCIA.
  A envelhescência nada mais é que uma preparação para entrar na velhice, assim como a adolescência é uma preparação para a maturidade. Engana-se quem acha que o homem maduro fica velho de repente, assim da noite para o dia. Não. 
     Antes, a envelhescência. E, se você está em plena envelhescência, já notou como é parecida com a adolescência?
      Coloque os óculos e veja como este nosso estágio é maravilhoso:
      Já notou que andam nascendo algumas espinhas em você? Notadamente na bunda?
      Assim como os adolescentes, os envelhescentes também gostam de meninas de vinte anos. 
    Os adolescentes mudam a voz. Nós, envelhescentes, também. Mudamos o nosso ritmo de falar, o nosso timbre. Os adolescentes querem falar mais rápido; os envelhescentes querem falar mais lentamente. 
     Os adolescentes vivem a sonhar com o futuro, os envelhescentes vivem a falar do passado. Bons tempos...
   Os adolescentes não têm ideia do que vai acontecer com eles daqui a 20 anos. Os envelhescentes até evitam pensar  nisso.
   Ninguém entende os adolescentes... Ninguém entende os envelhescentes... Ambos são irritadiços, se enervam com pouco, Acham que já sabem de tudo e não querem palpites nas suas vidas. 
     Às vezes, um adolescentes tem um filho: é uma coisa precoce. Às vezes, um envelhescente tem um filho: é uma coisa pós-coce. 
   Os adolescentes não entendem os adultos e acham que ninguém os entende. Nós, envelhescentes, também não entendemos eles. "Ninguém me entende". É uma fase típica de envelhescente. 
      Quase todos os adolescentes acabam sentados na poltrona do dentista e no divã do analista. Os envelhescentes, também, a contragosto, idem. 
      O adolescente adora usar uns tênis e uns cabelos... O envelhescente também. Sem falar nos brincos. 
       Ambos adoram deitar e acordar tarde. 
     O adolescente ama assistir a um show de um artista envelhescente (Caetano, Chico, Mick Jagger). O envelhescente ama assistir a um show de um artista adolescente (Rita Lee). 
      O adolescente faz de tudo para aprender a fumar. O envelhescente pagaria qualquer preço para deixar o vício.
       Ambos bebem escondido.
     Os adolescentes fumam maconha escondido dos pais. Os envelhescentes fumam maconha escondido dos filhos.
       O adolescente esnoba que dá três por dia. O envelhescente quando dá uma a cada três dias, está mentindo.
       A adolescência vai dos 10 aos 20 anos; a envelhescencia vai dos 45 aos 60. Depois sim, virá a velhice, que nada mais é que a maturidade do envelhescente. 
    Daqui a alguns anos, quando insistirmos em não sair da envelhescência para entrar na velhice, vão dizer:
       É um eterno envelhescente!
       Que bom".
 
     Seguindo esse mesmo raciocínio, o também genial escritor inglês de origem irlandesa, Oscar Wilde (1854-1900), que entrou nessa faixa etária da envelhescência  Mário, disse:

                                       "Os jovens querem ser fiéis e não podem.
                                         Os velhos querem ser infiéis e não podem".
  
     Aos  nossos leitores fica a dica proposta pelo autor pesquisado. Cada um deve enquadrar-se numa dessas categorias: Infância, adolescência, maturidade e velhice. Passando, claro, pela envelhescência.

     Pesquisa, Texto e arte: Francisco e Winnie Gomes

     Fontes
     1. terceirotempo. bol. uol.com.br
     2. www. ebiografia.com
     3. Você é um envelhescente? Mário Prata, - Amazon 21, ano 2, n. 8, maio de 2000