Poetas que se suicidaram - Parte I

WhatsApp Image 2019-08-29 at 22.11.16.jp

Este mês foi divulgada a campanha do Setembro Amarelo, uma iniciativa desenvolvida em 2014 pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, e tem o objetivo de prevenir e reduzir os números de suicídios na sociedade. De acordo com o site da campanha:

São registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de 01 milhão no mundo. Trata-se de uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens. Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.

É uma realidade triste e assustadora, hein? Mas, a campanha é louvável e esperamos que as pessoas com dificuldades emocionais procurem ajudem de profissionais capacitados e, principalmente, que nosso governantes possam implantar políticas públicas.

Pensando no assunto, decidimos relembrar alguns escritores da literatura mundial que tiveram esse triste fim (na próxima semana, iremos relembrar os músicos). Nosso intuito é homenageá-los por suas contribuições literárias.


Resultado de imagem para florbela espancaFlorbela Espanca

Conheci a obra de Florbela na adolescência, e me apaixonei por seus poemas. Sou uma grande fã do trabalho dela. Florbela nasceu em 8 de dezembro de 1894 em Vila Viçosa, Portugal, e faleceu aos 36 anos, no ano de  1930, em Matosinhos, Portugal. Seus poemas só tiveram reconhecimento após a sua morte. A poetisa portuguesa tem uma vasta obra que influenciou até a música. O cantor Fagner fez uma melodia para o poema Fanatismo, uma música linda, confiram o vídeo.




Resultado de imagem para virgínia woolfVirgínia Woolf
Virginia nasceu em 25 de janeiro de 1882 em Londres e faleceu em 28 de março em 1941, aos 58 anos de idade. A escritora foi conhecida com a publicação Senhora Dalloway (1925), a qual faz uma crítica ao sistema patriarcal da sociedade inglesa e sobre a dificuldade da mulher conquistar seu espaço. Outras obras que são conhecidas: Um teto todo seu (1929) e As ondas (1931). (1)
A escritora deixou seu último bilhete para seu marido, Leonard Woolf:

Querido,
Tenho certeza de que enlouquecerei novamente. Sinto que não podemos passar por outro daqueles tempos terríveis. E, desta vez, não vou me recuperar. Começo a escutar vozes e não consigo me concentrar. Por isso estou fazendo o que me parece ser a melhor coisa a fazer. Você tem me dado a maior felicidade possível. Você tem sido, em todos os aspectos, tudo o que alguém poderia ser. Não acho que duas pessoas poderiam ter sido mais felizes, até a chegada dessa terrível doença. Não consigo mais lutar. Sei que estou estragando a sua vida, que sem mim você poderia trabalhar. E você vai, eu sei. Veja que nem sequer consigo escrever isso apropriadamente. Não consigo ler. O que quero dizer é que devo toda a felicidade da minha vida a você. Você tem sido inteiramente paciente comigo e incrivelmente bom. Quero dizer que – todo mundo sabe disso. Se alguém pudesse me salvar teria sido você. Tudo se foi para mim, menos a certeza da sua bondade. Não posso continuar a estragar a sua vida. Não creio que duas pessoas poderiam ter sido mais felizes do que nós.
V.


Resultado de imagem para sylvia plathSylvia Plath
A poetisa nasceu em 27 de outubro de 1932, Estados Unidos, e faleceu em 11 de fevereiro de 1963, aos 30 anos de idade. Suas principais obras são The Bell Jair (1963) e Ariel (1965). Em 1982 ganhou o Prêmio Pulitzer de Poesia e sua vida foi retratada no filme Sylvia, Paixão Além das Palavras, de 2003. Infelizmente, em 16 de março de 2009, o filho de Sylvia, Nicholas Hughes, também, cometeu suicídio, aos 47 anos. Ele era biólogo marinho e professor universitário. Confiram o poema Eu estou de pé (Tradução de Rafael Zacca) de Sylvia:
Mas preferia estar deitada.
Não sou uma árvore de raízes fincadas
Sugando minerais e amor maternal
Para que a cada março eu resplandeça em folhas,
Nem sou a flor mais bela dos canteiros
Delicados, atraindo meu quinhão de “Ais”
Antes do iminente despetalar.
Comparadas a mim, uma árvore é imortal
E uma flor, conquanto pequena, é mais espantosa –
Invejo a longevidade de uma e a ousadia da outra.

Hoje, à luz infinitesimal das estrelas,
As árvores e as flores espalharam seus odores na noite fresca.
Caminho entre elas, mas não me notam.
Às vezes imagino que, dormindo,
Sou sua semelhante –
Penso obscura.
É mais natural se estou deitada;
Assim, o céu e eu conversamos sem segredos.
Serei útil quando estiver enfim deitada:
Aí as árvores serão mãos para mim, e, as flores, demora.


Resultado de imagem para vladimir maiakóvskiVladimir Maiakvoski
O poeta russo nasceu em 19 de julho de 1893 e faleceu em 14 de abril de 1930, aos 36 anos de idade. Sua poesia apresentava rimas inusitadas, sem nenhuma divisão em temas e vocabulário poético e não poético. Escreveu peças satíricas, com forte sentido social (2). Sua grande obra é 33 PoesiasEm 1989, o cantor e compositor João Bosco gravou a poesia E Então, Que Quereis...? Confiram a música.



Nós, o Facetas, apoiamos a campanha não apenas no mês de Setembro, mas durante todo o ano. Vamos nos cuidar e cuidar das pessoas que conhecemos. A saúde mental existe e precisa ser divulgada nas escolas, universidades e organizações. Não deixem de procurar ajudar, a vida é valiosa. 


Pesquisa e Texto: Winnie Barros e Francisco Gomes
Arte: Winnie Barros

Fontes
3. Imagens: Wikipédia

Postar um comentário

0 Comentários