"Nossa Senhora das Fêmeas"

Você sabe quem foi Wanderley Alves dos Reis? Foi o compositor, violonista e cantor mineiro nacionalmente conhecido por Wando. Ele nasceu em 2 de outubro de 1945 em Cajuri (MG) e morreu em 8 de fevereiro de 2012, aos 66 anos, na cidade de  Nova Lima (MG), vítima de parada cardíaca num hospital local da região metropolitana de Belo Horizonte.

Ainda muito jovem Wanderley trabalhou como entregador de leite, vendedor de jornal e feirante. Aos 20 anos começou a compor. Ainda em Minas, participou de uma pequena banda de música. Depois, no início da década de 70, migrou para São Paulo a procura de novas oportunidades para a tão sonhada carreira artística. Na grande Sampa, conheceu o cantor Jair Rodrigues, o qual, além de incentiva-lo, gravou uma música sua, O Importante é Ser Fevereiro, que foi grande sucesso. E logo o compositor já era conhecido no meio artístico. Esses foram os primeiros passos para mais um nome com marca registra no cancioneiro brasileiro.  




Em 73 inciou sua carreira bebendo na fonte do samba com o disco "Gloria a Deus no Céu e Samba na Terra".  Em 74, fez sucesso com Zeca Poeta de Guerra. Em 75, com Na Boca do Povo e A Paz Que Nasceu Pra Mim. Porém, nesse ano, seu grande sucesso veio com Moça. Outros  LPs foram sendo gravados. Por exemplo, em 77, "Ilusão de Carnaval". Em 78, "Gosto de Maça". Em 79, "Gazela", entre tantos outros. Foram 27 álbuns ao longo da vitoriosa carreira. Só lembrando que Wando contou com a parceria musical de vários músicos/letristas, como J. Velloso, Isolda, Milton Carlos, Antonio Carlos e Jocafi, Altair Veloso, Paulo Debétio e Paulo Rezende, Carlos Colla, entre muitos outros. 

Passada essa  primeira fase, o cantor mudou seu estilo musical, para um romântico bem ao gosto do povo brasileiro, o chamado de "povão". Não demorou muito para ser rotulado - entre muitos outros artistas -, por parte da crítica e da imprensa de: "romântico-brega", "letras de gosto duvidoso"; "músicas de conteúdo sensual e erótico", "obsceno", "cantor mais erótico do Brasil", e assim por diante.

Independente desses epítetos, e sem criar problemas com tais estigmas, Wando segue com seu estilo. Só para exemplificar alguns lançamentos no seu formato bem original: Em 85, lança "Vulgar e Comum é Não Morrer de Amor"; em 90, "Tenda dos Prazeres"; em 2005, "Romântico Brasileiro sem Vergonha".  Ele também é intérprete de O Ferroviário (Cézar-Cirus); Emoções; e Senhorita, Senhorita, ambas de sua autoria, que são ótimas canções. A Menina e o Poeta, foi lançada por Roberto Carlos em 76, é interessante e recomenda-se ser ouvida. Seus versos são bem ritmados.e sutis.

Sem querer entrar na "briga" do que é chique e do que brega na música, diga-se de passagem, que o trabalho de quase 50 anos, no caso de Wando, não pode ser visto apenas pelo "gosto duvidoso", como sempre insistiam alguns "críticos" de plantão. Apenas uma observação: Wando canta "Moça", é brega; Caetano Veloso canta "Moça", é um clássico da MPB. O que mudou? Nada. Tudo é uma questão de gosto popular. Arte é arte. O que não se deve é rotular qualquer que seja o artista, o escritor, o ator, etc.

Vamos seguir sintonizados com Wando. "Em dezembro (ele) foi a principal atração das comemorações do 2º Concurso Mister Beleza da Terceira Idade, em Manaus. O cantor apresentou, no dia 2 de dezembro de 2011, as canções românticas e as tradicionais brincadeiras com flores e maças. A festa foi realizada, por ocasião da comemoração dos 102 anos da Fundação Doutor Thomas (asilo para idosos) e nove anos do Parque Municipal do Idoso" (1).

Assim as festividades pré-natalinas seguiam seu curso, enquanto o artista  seguia alegrando e divertindo seu cativo público com seus shows. Deixou Manaus e foi para o interior do Estado. "O penúltimo show do cantor Wando foi realizado no dia 31 de dezembro de 2011 em Lábrea, a 702 km de Manaus, na "virada do ano". Apesar de muito simpático, o público achou Wando, gordo, cansado e diferente" (1), quem garante é Edmar Barros, que atuou como fotógrafo do evento.. De Lábrea, o cantor seguiu para Porto Velho (RO) e de lá para Gravatá (PE), onde realizou seu último show, no dia 7 de janeiro de 2012.

No dia 27 de janeiro daquele ano, Wando teve problemas de saúde e, após consultar seu médico, o mesmo achou melhor interná-lo no Hospital Biocor, ali mesmo em Nova Lima (MG), onde seriam feitos os exames necessários. Assim, foram feitos todos os procedimentos clínicos que o paciente precisava. Porém, entre as 5 e 6 horas da manhã do dia 08 de fevereiro de 2012, o cantor sofreu duas paradas cardíacas, vindo a falecer às 8 h daquela manhã, após 12 dias de internação hospitalar.

Essa notícia comoveu artistas e fãs. O cantor Márcio Greyck foi ao velório e em entrevista a Rayder Bragon, do UOL de BH, disse que a MPB verdadeira é feita por canções populares como as do amigo ora falecido. E acrescenta: "Existe uma sigla chamada de MPB. Mas, se a gente for analisar, de popular ela não tem nada. Estigmatizam canções populares como as de Wando que transcenderam gerações.  Ele era um dos maiores talentos da música popular brasileira" (2).

Em agosto de 2017, quando estive em Vilhena (RO), ganhei do meu irmão José Gomes (o "Zeca Poeta"), 123 vinis de diferentes cantores, como: Antonio Marcos, Benito Di Paula, Clara Nunes, Djavan, Elba Ramalho, Fernando Mendes, Gilberto Gil, Martinho da Vila, Nelson Ned, Paulo Sérgio, Raul Seixas, Toquinho, Wando, entre outros. 

"Zeca Poeta", desde muito jovem é um admirador nato da música brasileira, principalmente a verdadeira música romântica, desse gênero classificada por Greyck. Zeca não é apenas  mais um ouvinte. Ele é, acima de tudo, um pesquisador dessa arte, ou seja, do letrista, do intérprete, da careira, do estilo, do artista, enfim. Foi nesse encontro que fiquei sabendo que Wando compôs e interpretou um dos mais poderosos hinos em defesa dos direitos (em todos os sentidos) da MULHER brasileira, desconhecido por mim até aquele momento. 

Trata-se do disco "Fêmeas", lançado em 2001, pela gravadora Indie Records, com 14 faixas (músicas). O hino sobre o qual me refiro é Nossa Senhora das Fêmeas, a qual deveria meditada e cantada por nós brasileiros de Norte a Sul. Seja nas igrejas, nas escolas, nos lares, nas ruas, nas universidades, etc, etc, etc. Por que, então essa Canção não foi executada nas rádios, nas programas de auditórios, na TV, de modo geral? Porque o Brasil não quer expor a ferida da violência praticada  contra a mulher, apesar do país figurar entre os cinco mais violentos do mundo.

Nossa Senhora das Fêmeas (2001), é verdadeiramente um grito de alerta. Por sinal, veio bem antes da Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Mais conhecida como Lei Maria da Penha, a qual "cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do parágrafo 8º do artigo 226 da CF" (3). No entanto, não ressabiados com a imperatividade desse dispositivo legal, os agressores continuaram, fazendo alastrarem-se  os índices nefastos em todo o país.

Então, como conter essa onda de crimes? Em 2015, entra em vigor a Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015 (há exatos 5 anos), conhecida como Lei do feminicídio, que "modificou o Código Penal para incluir o assassinato de mulher por razões de gênero entre os tipos de homicídio qualificado" (3). Contudo, os números de denúncias desse tipo, são assustadores. E, só pioraram de março/2020 para cá, nesse período de isolamento social. Se a raiz do problema não é por falta de Leis que punam os infratores, é decorrente do quê? Falta de temor religioso? Falta de educação familiar não adequada desde o Brasil primitivo? Certeza da não punibilidade severa por parte do Estado? Quem acredita em medida protetiva? Só o legislador que criou uma Lei pífia. Porque nem os magistrados acreditam na eficácia dela. Aplicam-na para não serem omissos, mas sabem ser a mesma incipiente. 

Há 50 anos Nilton Nascimento e Fernando Brant criaram aquela que seria a Canção da Mulher, de todos os tempos, Maria Maria. Mas... A  geração atual só canta esse hino, mesmo que gaguejando no dia 8 de março. Há 19 anos veio a Segunda Canção da Mulher, Nossa Senhora das Fêmeas. Quem as canta?  Aqui, reunimos e exibimos ao mesmo tempo a letra de Nossa Senhora das Fêmeas e um clipe (disponível) no YouTube, produzido do forma magistral por Risolene Rodrigues, sem fins comerciais da nossa parte, mas sim de caráter educativo, que, aliás,  é o objetivo de tudo que o Facetas produz.

Nossa Senhora das fêmeas proteja toda mulher
Desses perigos do mundo, venda de onde viver
Livrai dos homens malvados, sem piedade, sem dó
Ôoo
Que batem, xingam, machucam, quando não fazem pior
Nossa Senhora das fêmeas proteja toda mulher
Da celulite, das drogas, ciúme, falta de fé
Do furo na camisinha, na gravidez sem querer
Ôoo
Que nas paixões impossíveis ela consiga vencer
Nossa Senhora das fêmeas proteja toda mulher
No seu trabalho, no ônibus, no carro ou mesmo à pé
Ilumina a doméstica, livrai a mãe de um drama
Õoo
Proteja todas as meninas e a moça que faz programa
Livrai das falsas amigas e de quem pega no pé
Da TPM que mexe com um bom amor da mulher 
Nossa Senhora das fêmeas não deixe de proteger
Õoo
A igualdade e o direito e a liberdade de ser
Nossa Senhora das fêmeas dê sempre à toda mulher
Sorriso, brilho nos olhos, felicidade e axé 
Paz, equilíbrio ao seu corpo, vida, beleza e querer
Amor que dure pra sempre, que nunca falte prazer
Nossa Senhora das fêmeas proteja toda mulher
Desses perigos do mundo, venha de onde vier (4).

Passa longe de nós, do Facetas, com este artigo, querer admoestar alguém. Mas sim conclamarmos a todos que nos seguem para uma reflexão sobre o tema abordado. O mapa da violência contra a mulher brasileira não pode mais persistir. E, para debela-lo só depende da ação pacificadora de cada um de nós, independente do grau de instrução, de classe social. e do lugar onde vive.

Notinha útil - Ontem foi comemorado o Dia dos Namorados. Aqui, parabenizamos a todos que se amam com estes versos de Maurício Duboc e Carlos Colla in A Namorada: "Você, que vem de dentro/ Da saudade que eu sentia,/Da noite mal dormida/Da minha fantasia.../(...) A namorada à minha espera ,/Meu refúgio, meu regresso,/Minha vida, meu amor..."

Notinha de pesar - Lábrea (AM), perdeu nesta semana, para a Covid 19, o professor, historiador e escritor Pedro Pires da Silva. O Facetas, lamenta pelo ocorrido e espera que os ensinamentos do mestre sejam seguidos por seus conterrâneos, principalmente, os seus alunos. 

Pesquisa e texto por Francisco Gomes
Vídeo e foto por Winnie Barros 

Fontes
1. G1. globo.com
2. https//www.bol.uol.com.br
3. Vários autores. Sociologia em movimento. - 2. ed. volume único. - SP: Moderna, 2016
4.https//www.vagalume.com.br
5. https//www.m.letras.mus.br 

Postar um comentário

0 Comentários